Romero cobra a conclusão da Transposição do rio São Francisco

romero10-300x178O prefeito de Campina Grande disse hoje que é muito preocupante a situação hídrica da Paraíba, e em particular de Campina Grande, que é abastecida pelo Açude de Boqueirão que hoje está com apenas 193.463.958, ou seja, 47,0 por cento de sua capacidade. A capacidade total de Boqueirão é de 411.686.287.

O prefeito pede urgência ao Governo Federal com a Transposição do Rio São Francisco para beneficiar a população hoje tão castigada pela seca, cujo quadro tende a se agravar conforme os prognósticos, com uma estiagem que pode durar até 2015.

Romero reivindica a presidenta da República, Dilma Rousseff, ao ministro da Integração Nacional e a outras autoridades maior agilidade no projeto de Transposição do Rio São Francisco, a fim de que situação de seca como a atual vivida pelo Nordeste seja minimizada e maiores prejuízos evitados, num futuro próximo. Se as águas já tivessem chegado à Paraíba, desde 2010, como era a promessa do então Governo Lula os reflexos da seca não seria tão preocupante como são hoje.

O prefeito também destacou a irrigação por gotejamento e não por inundação para preservar a quantidade limitada de água. A irrigação por gotejamento é uma técnica utilizada na agricultura que tem por objetivo o fornecimento controlado de água para as plantas em quantidade suficiente e no momento certo, assegurando a produtividade e a sobrevivência da plantação. Complementa a precipitação natural, e em certos casos, enriquece o solo com a deposição de elementos fertilizantes.

Projeto de Integração do Rio São Francisco

O Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional é um empreendimento do Governo Federal, sob a responsabilidade do Ministério da Integração Nacional. É destinado a assegurar oferta de água, em 2025, a cerca de 12 milhões de habitantes de 390 municípios do Agreste e do Sertão dos estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte.

A integração do rio São Francisco às bacias dos rios temporários do Semiárido será possível com a retirada contínua de 26,4 m³/s de água, o equivalente a apenas 1,42% da vazão garantida pela barragem de Sobradinho (1850 m³/s), sendo que 16,4 m³/s (0,88%) seguirão para o Eixo Norte e 10 m³/s (0,54%) para o Eixo Leste.

Na Paraíba, o Eixo Leste do Projeto São Francisco permitirá o aumento da garantia da oferta de água para os vários municípios da bacia do Paraíba, atendidos pelas adutoras do Congo, do Cariri, Boqueirão e Acauã. O Eixo Norte possibilitará o abastecimento seguro de diversos municípios da bacia do Piranhas, atendidos por sistemas adutores tais como Adutora Coremas / Sabugi e Canal Coremas / Souza.

2 comments

  1. Paulo Afonso da Mata Machado

    Até que enfim vejo uma notícia realista sobre a transposição do Rio São Francisco.
    Durante muito tempo, o assunto foi debatido, sem que os adversários apresentassem razões claras contra a transposição.
    Com o projeto em andamento, é evidente que deveriam cessar as discussões sobre sua oportunidade, mas serem cobrados esforços no sentido de que ele fique pronto o mais rapidamente possível.
    É o que vemos na fala do prefeito de Campina Grande.

  2. Espero que o Estado e municípios,beneficiados com a transposição,como é o caso de Umbuzeiro,começem já a cuidar de sua parte de responsabilidade,com destinação dos lixoes e tratamento dos esgotos para que não sejam mais colocados em locais que de uma forma ou de outra terminam no leito do rio paraíba,contribuindo para a poluição!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TOPO