PMCG registra queda nos índices de infestação da dengue

dengueApenas dois bairros de Campina Grande ficaram com índice alto de infestação do mosquito da dengue, de acordo com o 3º LIRA (Levantamento do Índice de Infestação Rápido do Aedes aegypti) deste ano, divulgado hoje, 06, pela Secretaria Municipal de Saúde. Os dados mostram que quinze dos dezessete bairros que estavam com índices acima de 3% conseguiram reduzir os números. O resultado é fruto de uma campanha de mobilização da Prefeitura, que envolveu diversas secretarias municipais na realização de mutirões contra a dengue.

O levantamento aponta que o município ainda está com risco médio de transmissão da doença, com 2,7% de infestação do mosquito. Os maiores índices foram registrados no Alto Branco (3,35%) e no Serrotão (3,74%). Comparados com os números do 2º Lira, os índices tiveram uma redução significativa. No levantamento anterior, bairros como Laurintzen e o Castelo Branco, por exemplo, ficaram com 11,11% e 7,4%, respectivamente. Agora, aparecem com 0,91% o primeiro e 0,61% o segundo.

De acordo com a gerente municipal de Vigilância Ambiental, Rossandra Oliveira, mesmo com a queda dos índices, as mobilizações de combate ao mosquito devem continuar. Segundo ela, até o mês de maio deste ano, foram notificados 207 casos confirmados de dengue clássica no município. “Vamos manter nossas atividades de rotina, com a visita dos agentes de endemias nas casas com o tratamento do larvicida, destruição de depósitos, recolhimento de pneus e garrafas, como também já estamos utilizando o carro fumacê”, informou.

A secretária municipal de saúde, Lúcia Derks, explicou que, além dos mutirões, a secretaria também promoveu cursos de capacitação sobre o manejo clínico da dengue para os médicos da Atenção Básica, Hospital da Criança e UPA. “O manejo clínico reúne uma série de procedimentos que permitem ao profissional de saúde a identificação mais ágil dos sintomas da dengue, evitando que a doença se agrave, lotando os hospitais, quando o tratamento poderia ter sido feito no posto de saúde”, disse.

A secretária lembrou ainda que a participação da população também foi fundamental para a redução dos índices nos bairros que ficaram com alto risco de transmissão da doença. “É importante que as pessoas continuem tendo os cuidados de prevenção para evitar a proliferação do mosquito em suas residências. Para isso vamos intensificar ainda mais as nossas ações de educação em saúde nas comunidades”, garantiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TOPO