Campanha antirrábica pretende vacinar 49 mil cães e gatos

vacinacaoA Secretaria Municipal de Saúde de Campina Grande, através da Vigilância Ambiental em Saúde e Zoonoses, deu início, nesta terça-feira, 03, à campanha de vacinação antirrábica para cães e gatos. A meta é vacinar 32 mil cães e 17 mil gatos no município, até o próximo dia 28, quando será realizado o “Dia D” da mobilização. Inicialmente, os duzentos agentes de vigilância envolvidos na ação vão vacinar os animais da Zona Rural, mas os donos de cães e gatos da zona urbana já podem procurar o Centro de Zoonoses, em Bodocongó, das 8h às 17 horas, para imunizar os bichos de estimação.

De acordo com a gerente de vigilância ambiental, Rossandra Oliveira, a vacinação antirrábica é gratuita e destinada apenas a cães e gatos a partir de três meses de idade. Como não há contra-indicação, mesmo os animais que estejam em período de gestação, adoentados ou amamentando podem e devem ser vacinados. “O responsável pelo animal deverá levar a carteirinha de vacinação e no momento todos receberão informações e orientações sobre os cuidados com a saúde do animal”, disse.

Rossandra informou também que, além da vacinação, a campanha vai ter o objetivo de sensibilizar a população sobre o bem-estar. Segundo ela, trata-se de um conceito de valorização da qualidade de vida do animal e se baseia no princípio de que os animais são capazes de vivenciar experiências subjetivas de dor e de satisfação. “Estamos desenvolvendo ações educativas, em parceria com organizações de proteção aos animais, para mostrar a importância dos cuidados com a saúde física e mental dos bichinhos, uma vez que os maus tratos e o ambiente em que vivem podem influenciar na saúde dos animais”, explicou.

Raiva – A raiva é uma doença mortal transmitida ao homem por animais mamíferos. Nos cães e gatos, a doença pode apresentar vários sinais clínicos, tornando-se difícil diferenciar de outras síndromes nervosas agudas. Os sinais podem incluir alterações de comportamento, depressão, demência ou agressão, dilatação da pupila, fotofobia (medo do claro), falta de coordenação muscular, mordidas no ar, salivação excessiva, dificuldade para engolir devido à paralisia da mandíbula, por exemplo. Neste estágio, o animal para de comer e beber.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TOPO